Óh, os pinhais da minha terra
onde o vento, na ramaria,
acorda eterna sinfonia
que a natureza encerra!
 
Nessa paz vi que sofria,
por não poder esquecer,
onde se sabe a morrer
ao som doutra sinfonia...
 
Sinfonia dos bombardeiros
e chuva de napalm.
Estive no Vietnam
à sombra de mansos pinheiros.
 
josé do fetal
Lisboa/1969